“A leitura me deu algo fundamental – e que eu não tinha: a capacidade de imaginar outras formas possíveis de se viver. Numa cidade pequena, com poucas opções – e mesmo numa cidade grande, como Curitiba –, a gente tende a ser massacrado pela realidade. Eu fui muito massacrado pela realidade. Minha infância foi muito dura.”

Miguel Sanches Neto fala da sua trajetória – de menino do campo a professor universitário –, refletindo sobre a presença dessas vivências na sua obra literária, entre outros assuntos. 

Entrevista realizada em 2007 pelo jornalista Paulo Camargo.

Saiba mais sobre Miguel Sanches Neto na Enciclopédia Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras.

Ouça todos os episódios já disponíveis do podcast Paiol Literário aqui no site ou em aplicativos especializados, como o Spotify e o Apple Podcasts, no celular ou no computador – basta pesquisar o nome dos programas.

Veja também:

ITAÚ CULTURAL

Presidente: Alfredo Setubal
Diretor: Eduardo Saron
Gerente do Núcleo de Audiovisual e Literatura: Claudiney Ferreira
Coordenadora do Núcleo de Audiovisual e Literatura: Kety Fernandes Nassar
Apresentação: Rogério Pereira
Produção audiovisual: Ana Paula Fiorotto
Roteiro: Rosani Madeira (terceirizada)
Som: Tomás Franco (terceirizado)
Locução: Adriana Braga (terceirizada)
Trilha musical: Sala de leitura, de Tomás Franco
Imagem: Matheus Dias

O Itaú Cultural (IC), em 2019, passou a integrar a Fundação Itaú para Educação e Cultura, com o objetivo de garantir ainda mais perenidade às suas ações e o seu legado no mundo da cultura, ampliando e fortalecendo o seu propósito de inspirar o poder criativo para a transformação das pessoas.

 

Veja também

Daniel Munduruku – Mekukradjá

“As pessoas olham para mim e veem o tal do índio, que é o que está no imaginário delas, mas aquele que eu sou efetivamente ou aquilo que eu trago dentro de mim não tem nada a ver com essa palavra”

Paulo Lins – Paiol Literário

“Nós, negros, ainda estamos numa situação de pós-escravidão. Se você não tem uma escola funcionando bem, se você não tem um ensino bom, nunca vai ter igualdade. Porque essa diferença só vai se dar através da educação”, diz Paulo Lins