“Se houver um dia em que você não está lutando, você já abandonou.” Daiara Tukano fala das memórias de sua família e de seu povo, de sua relação com a cidade de São Paulo e do “caminho de volta” que deve fazer até sua aldeia. A mestranda em direitos humanos e cultura de paz se dedica à valorização da identidade indígena e da luta pelos direitos dos povos originários e das mulheres.

Com apresentação de Daniel Munduruku – escritor indígena graduado em filosofia, doutor em educação pela Universidade de São Paulo (USP), pós-doutor em literatura pela Universidade Federal de São Carlos (Ufscar) e curador do Mekukradjá – Círculo de Saberes –, o programa reúne convidados do ciclo de encontros de diferentes edições.

Este depoimento foi gravado em 2017.

Saiba mais sobre Daiara Tukano no Mapeamento do Mekukradjá.

Veja também:
>>Coluna em vídeo assinada por Daniel Munduruku apresentou questões indígenas
>>Saiba mais aqui sobre o Mekukradjá aqui

Ouça todos os episódios já disponíveis do podcast Mekukradjá aqui no site ou em aplicativos especializados, como o Spotify ou o Apple Podcasts, no celular ou no computador – basta pesquisar o nome dos programas.

ITAÚ CULTURAL

Presidente: Alfredo Setubal
Diretor: Eduardo Saron
Gerente do Núcleo de Audiovisual e Literatura: Claudiney Ferreira
Coordenadora do Núcleo de Audiovisual e Literatura: Kety Fernandes Nassar
Apresentação: Daniel Munduruku
Produção audiovisual: Ana Paula Fiorotto
Captação de som: Raquel Vieira (terceirizada)
Edição de som: Tomás Franco (terceirizado)
Locução: Julio de Paula (terceirizado)
Imagem: Agência Ophelia

O Itaú Cultural (IC), em 2019, passou a integrar a Fundação Itaú para Educação e Cultura com o objetivo de garantir ainda mais perenidade e o legado de suas ações no mundo da cultura, ampliando e fortalecendo seu propósito de inspirar o poder criativo para a transformação das pessoas.
 

Daiara Tukano (imagem: divulgação)

 

Veja também

Graça Graúna – Mekukradjá

Escritora e crítica literária, Graça Graúna fala de sua formação intelectual “até botar o pé nessa coisa chamada universidade” e se tornar poeta