por Heloísa Iaconis

Você sabe quem foi Teodoro Sampaio? Conhece os versos de Auta de Souza? E Enedina Alves Marques, já ouviu falar sobre ela? E Juliano Moreira? Teodoro atuou em diversas áreas, como engenharia e geografia, além de ter participado da fundação de instituições importantes, a exemplo da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (USP). Auta, por seu turno, dedicou-se à poesia: autora de Horto (1900), alinhou-se à segunda geração romântica. Enedina formou-se, no ano de 1945, em engenharia civil na Universidade Federal do Paraná (UFPR) e, desse modo, tornou-se a primeira engenheira negra do Brasil. E Juliano, como psiquiatra e acadêmico, incorporou a teoria psicanalítica no curso de medicina. Essas são 4 das 20 figuras que compõem Afro-Históricos, jogo desenvolvido por Polianna Silva e apoiado pelo programa Rumos Itaú Cultural. Cartas, dado e cartilha armam uma brincadeira que visa divulgar a trajetória e as contribuições de personalidades negras de destaque em campos variados do conhecimento.

Prestes a se formar em design, tendo de desenvolver um trabalho para o fim da faculdade, Polianna percebeu que ali estava a oportunidade de realizar um desejo de sempre: criar algo que não atendesse apenas a ela, e sim a um público maior – um projeto, a um só tempo, educativo e acessível, destinado a crianças e jovens.

Ao pensar, aliás, naqueles que começam a sentir o mundo, a então graduanda se lembrou da época de menina: “Ao longo da minha infância, torcia muito pelo êxito de pessoas negras na ficção. Poucos eram os personagens assim e, na maioria das vezes, estavam em lugares de subserviência ou em postos como delinquentes”, pontua. Essa memória impulsionou a designer, durante o processo de pesquisa, a se nortear por uma observação mestra: para que alguém se projete em um futuro próspero, sonhe e acredite em si mesmo, é necessário ver os seus em posições de notoriedade. Por essa razão, escolheu, de início, 40 nomes representativos do pioneirismo de negros e negras em esferas distintas – epítetos que hoje batizam de ruas a hospitais.

Jogo "Afro-Históricos" | foto: divulgação

Dificuldades na obtenção de autorização de uso de imagem, contudo, fizeram com que a lista de homenageados tivesse mudanças: profissionais do presente juntaram-se ao time primeiro e, após cortes, chegou-se a 20 personalidades que atuaram ou continuam a atuar no Brasil, cujas biografias e feitos são válidos historicamente. Dessa forma, alunos de escolas públicas das cidades baianas Salvador e Camaçari, locais para onde o jogo será enviado, entrarão em contato, de um jeito lúdico, com Adélia Sampaio, Abdias Nascimento, Luiz Gama e Conceição Evaristo, entre outros. “Ao conhecer essas histórias, eles vão ver que, diferentemente do que prega o racismo científico, somos seres intelectualmente capazes e temos grande contribuição no percurso da humanidade e isso eleva a autoestima”, afirma Polianna.

Veja também