Veja abaixo uma série de depoimentos de cineastas indígenas para a série Encontros de Cinema.

Larissa Ye’padiho Duarte

A cineasta indígena do povo Tukano, da região de São Gabriel, Alto Rio Negro, fala de sua relação com a produção audiovisual, de suas interações com aqueles que foram filmados e da cosmologia presente no que registra.

Genito Gomes

Cineasta e liderança guarani kaiowá, Genito fala sobre o processo de produção dos filmes Ava Marangatu e Ava Yvy Vera – Terra do Povo do Raio. Ele comenta a importância dos filmes como meio de transmissão das tradições de seu povo para as próximas gerações, além de importantes registros da cultura guarani kaiowá para os não indígenas.

Isael e Sueli Maxakali

Em 1999, Isael e Sueli aprenderam a usar uma câmera de vídeo em uma oficina ministrada por Divino Tserewahú, na produtora Filmes de Quintal. De lá para cá, os professores e lideranças Maxakali passaram a utilizar o cinema como forma de registro de sua própria cultura.

Divino Tserewahú

O cineasta Xavante conta como começou a trabalhar com cinema em sua aldeia. Até o contato com o projeto Vídeo nas Aldeias, seu conhecimento tinha sido todo construído na prática. Para Divino, o cinema é uma forma de resistência

Patrícia Ferreira

De origem Guarani Mbya, a cineasta Patrícia Ferreira entrou em contato com a produção de vídeos após participar de uma oficina do projeto Vídeo nas Aldeias. Depois de algumas produções em parceria, dirigiu seu primeiro filme sozinha: o documentário retrata o cotidiano de sua mãe e de sua filha em uma região de fronteira. Segundo ela, os filmes servem de espelho para que os indígenas possam refletir sobre a própria cultura.

Veja também

Auritha Tabajara – Mekukradjá

“Eu não decidi escrever. Quando me dei conta, eu já escrevia, em rima, as histórias contadas por minha avó”, diz Auritha Tabajara