por Letícia de Castro

Novo projeto da dupla Silvero Pereira e Jezebel de Carli – premiada em 2015 com o monólogo BR-Trans –, Travestis Itinerantes pretende levar para cidades do interior das regiões norte e nordeste o espetáculo Quem tem medo de travesti, mais recente trabalho do coletivo As Travestidas.

O grupo conseguiu o apoio do programa Rumos Itaú Cultural parar viabilizar essa turnê, que levará a peça não apenas para teatros, mas também para performances em praças públicas e espaços abertos em cidades como Petrolina, Palmas e Belém. A ideia é ainda mapear, nessas localidades, outros grupos e artistas que tenham afinidade com o tema do projeto para que possam participar das atividades, criando assim uma rede “efetiva, artística e também afetiva”. “Interessa-nos capilarizar e potencializar esse trajeto, criar vínculos e acessos junto a coletivos, grupos de trabalho e sociedade civil que tenham consonância com nosso projeto”, diz Valencia Losada, coordenadora artística da Quintal Produções, responsável pelo projeto.

Escrito e dirigido pelo ator e pesquisador cearense Silvero Pereira e pela professora e diretora gaúcha Jezebel De Carli, o espetáculo é uma investigação sobre o universo trans no Brasil. A dramaturgia segue os mesmos princípios de outros trabalhos do coletivo As Travestidas. “Fazemos um apanhado de histórias reais a partir de um tema e construímos o texto na relação entre fatos, literatura clássica e contemporânea, depoimentos em redes sociais, músicas, trechos de matérias de jornais e vídeos. Esse material é estudado e costurado conduzindo uma narrativa atemporal, social”, afirma Pereira.

A peça mostra o glamour de uma época em que artistas trans tinham destaque no teatro, mas aborda também a exclusão e violência que marcam a cotidiano dessa população. Mais do que simples denúncia, apresenta perspectivas de superação e utiliza a linguagem teatral como instrumento de questionamento e transformação social. “Vivemos um cenário delicado, repleto de incertezas em relação às garantias que envolvem as liberdades individuais. É urgente criar empatia, aproximar a realidade do universo LGTBI às pessoas que só interagem com essa realidade através do filtro do preconceito e do reforço à marginalização. ‘Travestis Itinerantes’ é, antes de tudo, uma tentativa de desconstruir estereótipos e caricaturas, é se valer desses corpos políticos e invisibilizados para promover uma atmosfera de empatia e reflexão”, afirma Valencia.

Com um elenco composto de atores, cantores, transformistas e bailarinos nordestinos, o espetáculo foi criado de forma colaborativa e, em alguns momentos, à distância, já que Silvero mora no Ceará e Jezebel, no Rio Grande do Sul.

Veja também

O machismo é um software

A coluna Um Por Todos, comandada por vários artistas desde 2017, é assumida neste janeiro de 2019 pela cineasta Anna Muylaert