Em diálogo com a Coleção Brasiliana e a exposição Franz Weissmann: o Vazio como Forma – que é apresentada no instituto de 27 de novembro de 2019 a 9 de fevereiro de 2020 –, a equipe de educadores do Itaú Cultural convida a todos para experimentar diferentes suportes e técnicas artesanais de impressão. Em dezembro, o Ateliê Aberto acontece nos sábados 7, 14, 21 e 28 e nos domingos 8, 15, 22 e 29, sempre às 14h, sem distribuição de ingressos e com público rotativo.

Franz Weissmann: o Vazio como Forma apresenta algumas fases do escultor, pintor e desenhista, desde os primeiros anos de criação, passando por desenhos inéditos, até chegar a uma marca dessa produção artística – fazer com as mãos protótipos que gerariam esculturas imensas e de fácil acesso do público. A concepção e a realização são do Itaú Cultural em parceria com o Instituto Franz Weissmann, e a curadoria é de Felipe Scovino. 

Brasiliana soma 2.897 itens, desdobrados em cerca de 6 mil iconografias – de pinturas do Brasil holandês até as primeiras edições dos mais conhecidos álbuns iconográficos produzidos durante o século XIX sobre o país, bem como livros de artistas ilustrados do século XX, obras de arte, objetos, cartografias, manuscritos. Com publicações datadas dos séculos XVI ao XX, muitos trazem relatos de viajantes estrangeiros que se aventuraram pelo Brasil em busca de riquezas e glórias, verdadeiras ou imaginárias. Parte desse material é permanentemente exposto no Espaço Olavo Setubal.

Ateliê Aberto [com interpretação em Libras]
sábados 7, 14, 21 e 28 e domingos 8, 15, 22 e 29 de dezembro de 2019
às 14h

[duração aproximada: 240 minutos]
piso -1 – 20 vagas (público rotativo)

Veja também

O dia depois do museu

Depois de três anos de encontros pelo mundo, curadores se reuniram no âmbito na Bienal de Berlim para pensar em propostas para a seguinte pergunta: se todos os museus do mundo e suas respectivas coleções fossem destruídos, qual seria o museu do futuro?