Nascido em Recife (PE), Antonio Nóbrega começou a estudar violino aos 8 anos. Em 1971, foi convidado por Ariano Suassuna para integrar o Quinteto Armorial, passando a estudar o universo da cultura popular e a criar espetáculos de teatro, dança e música nela referenciados. São justamente as formas e as modalidades poéticas populares brasileiras as principais referências de Rima, o seu novo trabalho – um misto de show, espetáculo, aula, sarau e recital, no qual a grande estrela é a palavra rimada.

Veja também:
>>Nóbrega foi homenageado pelo programa Ocupação em 2013. Acesse conteúdo exclusivo!

Além de compartilhar composições autorais inéditas com o público, Nóbrega relembra canções e poemas ligados ao imaginário poético popular brasileiro e apresenta um repertório construído e guardado ao longo dos últimos anos, em que se dedicou, prioritariamente, à construção de espetáculos ligados à dança. “Desde que tomei conhecimento da poesia popular brasileira, percebi que ela configurava um edifício simbólico de muitos andares”, observa o artista, que afirma que uma de suas intenções com o trabalho é difundir a gama de modelos de estrofes e rimas criados pelos poetas populares, especialmente o da região sertaneja do Nordeste brasileiro.

Rima [com interpretação em Libras]
sextas 3 e 10, sábados 4 e 11 e domingos 5 e 12 de maio de 2019
sextas e sábados às 20h e domingos às 19h
[duração aproximada: 80 minutos]
Sala Itaú Cultural (piso térreo) – 224 lugares

Entrada gratuita

distribuição de ingressos
público preferencial: uma hora antes do espetáculo | com direito a um acompanhante – ingressos liberados apenas na presença do preferencial e do acompanhante
público não preferencial: uma hora antes do espetáculo | um ingresso por pessoa

Clique aqui para saber mais sobre a distribuição de ingressos.

[livre para todos os públicos]

FICHA TÉCNICA
Criação e atuação (voz, violino, violão e bandolim) Antonio Nóbrega
Direção musical, arranjos e cordas dedilhadas Edmilson Capelupi
Arranjos e cordas dedilhadas Edson Alves
Bateria e percussão Cleber Almeida e Leo Rodrigues
Acordeom Olivinho
Clarinete, sax alto e zabumba Zezinho Pitoco
Iluminação e cenário Marisa Bentivegna
Criação e projeção do videocenário Grissel Piguillem
Figurino Chris Aizner
Som Gustavo Vale e Tuca Pradella
Roadie Adilson Santos
Projeto gráfico e artes Érica de Carvalho
Fotos Silvia Machado
Vídeos para divulgação Alexandre Amendola e Leandro Caproni
Comunicação e assessoria de imprensa Agência Fervo – Priscila Cotta e Nara Lacerda
Direção de produção Thereza Freitas
Produção Truléu Produções
Realização Itaú Cultural

Veja também